A História moderna do controle educacional – Marxismo (3)

Seguindo o paradigma de Gramsci, a mente tinha de ser desnudada de toda a noção de transcendência – “não existe nada além da matéria do universo. Não há nada na existência que transcenda o homem — o seu organismo material no ambiente material”.[1] A noção pagã da separação de duas esferas (espiritual/material, céu/terra)[2] que sempre perseguiu o cristianismo ortodoxo desde o século I tinha de ser reintroduzida e reforçada:

Em termos bem práticos, ele precisava conseguir que indivíduos e grupos em todas as classes pensassem sobre os problemas da vida sem referência ao transcendente cristão, sem referência a Deus e às leis divinas. Precisava fazer com que reagissem com antipatia e oposição positiva a qualquer introdução dos ideais cristãos ou da transcendência cristã no tratamento e solução dos problemas da vida moderna.”[3]

O aqui e agora deveriam ser absolutizados e transformados no ponto de referência para tudo o que pensássemos ou fizéssemos.

Tudo deve ser feito em nome da dignidade e dos direitos do homem, e em nome da sua autonomia e liberdade de qualquer restrição externa. Principalmente das reivindicações e restrições do cristianismo.”[4]

Gramsci teve sucesso? Seja você mesmo o juíz:

  • O que alguém faz na sua vida privada não altera a sua capacidade de governar.
  • Tudo é uma questão de sexo, até mesmo o adultério.
  • Religião e política não se misturam.
  • Você não pode impor a sua moralidade aos outros.
  • Você não pode legislar a respeito de moralidade.
  • A religião não pode ser tratada em sala de aula; é um assunto particular.
  • Existe uma separação entre a Igreja (Deus) e o Estado.

A transcendência não é mais um ponto de referência viável nas escolas públicas americanas. Toda a vida é imanente, isto é, tudo o que importa é este mundo. Actualmente, nos países onde há maiorias de esquerda, as escolas públicas são assombradas pelo fantasma de António Gramsci e o espectro da sua imagem ronda as suas paredes.

Próximo artigo: A História moderna do controle educacional – Os secularistas


[1] Martin, The Keys of This Blood, p. 251.
[2] V. Peter E. Gillquist, Why We Havent’t Changed the world (Fleming H. Revell, 1982), p. 43.
[3] Martin, The Keys of This Blood, p. 251.
[4] Martin, The Keys of This Blood, p. 251.

Copiado do livro: Quem controla a Escola Governa o Mundo, Gary DeMar, p. 28-30

Deixe uma resposta