Quando ocorre uma crise real, a tolice do transgénero é revelada pelo que realmente é

Durante uma crise genuína, descobrimos que mesmo os nossos governos e os nossos profissionais de saúde precisam admitir que nem todas as ‘crises’ são iguais.

Segunda, 6 de Abril de 2020 – 19:04 EST

Imagem em destaque

6 de abril de 2020 ( LifeSiteNews ) — Foi apenas uma questão de tempo antes que os média nos começassem a explicar que a pandemia de coronavírus é especialmente difícil para pessoas trans e não binárias e, como tal, deveríamos prestar atenção especial à ideologia de género durante este período difícil. Afinal, as questões trans passaram da vanguarda da nossa política para virtualmente se tornarem “não-questões” no tempo que levou para o vírus paralisar a Europa e chegar à América do Norte, o que significa não muito tempo.

Activistas trans, que passaram os últimos cinco anos acusando aqueles que acreditam que só existem dois sexos de “apagar a existência” de pessoas não binárias, agora ficam a assistir enquanto as organizações de saúde e os governos registam os casos de coronavírus na população de homens e mulheres, enquanto dezenas de outros géneros míticos são ignorados. É quase como se os activistas trans estivessem a ser ignorados da mesma maneira que um pai amoroso silencia uma criança chorona: Silêncio, agora não temos tempo para isso. Talvez mais tarde.

É fascinante que, durante um período de emergência genuína, muitas pessoas simplesmente tenham deixado a teoria de lado. É quase como se a ideologia de género fosse um luxo que deu às elites algo com que se preocuparem antes de termos problemas reais . O Twitter feminista diverte-se ilustrando o facto de que a pandemia do COVID-19 expôs a realidade de que aqueles que apoiam os ideólogos de género não acreditam de facto no que dizem acreditar – pelo menos não quando as coisas estão mesmo más. As manchetes estão sendo contrastadas para destacar isso. Em 25 de Outubro de 2018, por exemplo, o New York Times publicou uma coluna intitulada “Por que o sexo não é binário”. Em 2 de Abril de 2020, o mesmo jornal publicou uma coluna intitulada “Porque é que tantos homens morrem de coronavírus?” A implicação era óbvia: porque é que morrem mais homens do que mulheres de coronavírus? Ninguém tem tempo para fingir que o sexo não é binário — não agora. Não podemos dar-nos a esse luxo.

Os activistas trans já estão zangados com o fato de a pandemia ter forçado os hospitais a declarar as cirurgias de alteração genital como “não essenciais”, pois isso é uma refutação a tudo o que vêm dizendo há uma década. Num período incrivelmente curto, os activistas LGBTQIA+ tiveram governos, organizações de saúde e figuras públicas a concordar que os bloqueadores da puberdade, mastectomias, castrações e outras cirurgias mutiladoras são essenciais, que se esses serviços não fossem imediatamente oferecidos as pessoas morreriam. Mas, novamente, quando nos deparamos com uma genuína emergência médica, os funcionários da saúde são obrigados a admitir o que todos já sabíamos: que essas cirurgias não são essenciais. Elas não são essenciais. Esses atrasos são certamente temporários, mas a razão pela qual os activistas trans estão furiosos é porque as premissas fundamentais do seu argumento acabaram de ser desmascaradas.

O BuzzFeed News está tentando manter as questões trans na frente e no centro, mas mesmo o seu artigo, intitulado “Como as pessoas trans e não binárias estão lidando agora”, parece patético e ridículo:

Alguns outros descobriram que as suas necessidades básicas do dia-a-dia, como a compressão do tórax , são mais difíceis, se não impossíveis, de serem executadas no momento, porque podem exacerbar alguns dos problemas respiratórios característicos do COVID-19. “Finalmente, pela primeira vez, recebi uma faixa compressora para o peito que realmente me serve. Eu estava tão animado quando finalmente chegou. Tão empolgado por me parecer comigo e por me sentir como sou”, escreveu KC Lylark, 22 anos, que mora em Londres. “Eu estava muito constrangido com a minha respiração porque não queria que ninguém pensasse que tinha sintomas … mesmo que a minha faixa me faça sentir mais eufórica do que nunca, sei que não deveria ter muita coisa até que isso acontecesse.

As faixas compressoras para o peito, caso nunca tenha ouvido falar delas, são essencialmente usadas por meninas que acreditam que são meninos para achatar os seios e “passar” por homens. 

Essas faixas também são bastante perigosas na melhor das hipóteses, e os riscos do seu uso incluem costelas quebradas e o colapso dos pulmões. O facto dos média os terem promovido como assistência médica essencial para aqueles que lutam com a disforia de género é criminosamente negligente.

Eu nem tenho certeza do que o BuzzFeed está tentando dizer aqui e, embora eu tenha ouvido muitas novas palavras estranhas ultimamente, nunca vi “folx” [N.T: adulteração da palavra folks] antes — presumo que isso significa “pessoas”:

Embora o país esteja actualmente em crise, muitas pessoas trans já vivem em circunstâncias terríveis. Após a eleição de Trump, houve uma preocupação generalizada de que, entre muitas outras coisas, as hormonas ficassem indisponíveis. Algumas pessoas trans começaram a compartilhar prescrições, o que é tecnicamente ilegal e não é sancionado por profissionais de saúde. “Conheço muitas outras mulheres trans (ou seja, homens) que passaram anos e anos sem consultar um médico, mas usavam hormonas”, disse Dee Wollstonecraft Michel, coordenadora de serviços de transgéneros na enfermaria de St. James em São Francisco, à Vice em 2017, já apontando para o modo como as pessoas nem sempre podem recorrer às instituições em busca de apoio.

O facto é que as pessoas que lutam com a disforia de género precisam de ajuda genuína, não de um jogo elaborado de faz-de-conta em que a cultura brinca com a ideia de que existem dezenas de géneros diferentes e que envenenar e mutilar corpos saudáveis ​​é a resposta para as lutas em torno da identidade de género. Durante tempos de paz e prosperidade, a nossa sociedade decadente terá todo o prazer em aceitar praticamente tudo o que o movimento LGBTQIA+ exige. Durante uma crise genuína, descobrimos que mesmo os nossos governos e os nossos profissionais de saúde, por mais pró-ideologia de género que sejam, precisam admitir que nem todas as “crises” são iguais — e que muitas das premissas do movimento trans são absurdas. 

Eles não dirão isso em voz alta, mas as acções falam mais alto que as palavras. 

Artigo traduzido.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/blogs/when-a-real-crisis-hits-transgender-silliness-is-revealed-for-what-it-is

Deixe uma resposta