Covid19 – Ensino doméstico obrigatório

Como organizar o seu dia-a-dia e aproveitar a oportunidade

Somos uma família educadora desde 2019 e neste momento de pandemia, onde somos obrigados a estar recolhidos em nossas casas, acho oportuno dar algumas dicas que podem ser úteis a qualquer família.

Primeiro, o Ensino Doméstico não é fácil, mas creio que todas as pessoas o conseguem fazer, desde que se dediquem, estudem e não se importem em perder algumas horas de sono. A minha intenção não é convencer-vos a fazer ED ou Homeschooling, como alguns conhecem – essa é uma modalidade de educação, não é redentiva e nem é a melhor opção para todos – mas quero contar-vos alguns segredos que podem facilitar o vosso dia durante o período em que têm os filhos em casa por causa do Coronavírus.

Enquanto algumas famílias acham a experiência interessante, para outras pode ser uma situação caótica. Questões como:

Perder esses dias de aula farão diferença para a sua progressão nos estudos?

O que seria essencial para que eles não perdessem o “ritmo” de estudo?

O que fazer nas horas vagas?

Preciso mantê-los ocupados o tempo todo? E agora?

1. Crie uma rotina

Isso é consenso em todas as famílias que eu conheço: Criem uma ROTINA! Vocês não estão de férias. Provavelmente os pais estão trabalhando, quem sabe em home-office. Você não conseguirá manter seu trabalho em casa com os seus filhos desocupados. As crianças também precisam saber o que irão fazer em casa nesse período, afinal, na escola também funciona assim. Saiba o que fazerquando e durante quanto tempo, reúna todos os que vão estar em casa, e definam um plano de acção.

Horário

Escreva e pendure o horário num lugar visível para todos – até que se tenham habituado (no frigorífico, por exemplo). Os horários de cada família variam consideravelmente, apenas para exemplificar, os meus são divididos em: dias que não trabalho fora dias que trabalho fora.

Nos dias que estou em casa:

6h – acordar, escovar os dentes, trocar de roupa (nem sempre).

7h – café da manhã, culto doméstico (dirigido pelo meu marido).

8h – O meu marido vai para o trabalho, inicio as actividades (que já deixo preparadas no dia anterior). Como apenas o meu filho mais velho tem actividades programadas, não gastamos muito mais do que 1 hora, e creia, o tempo rende muito mais do que na escola.

11h – Preparar o almoço.

12h – 14h – Almoço e descanso.

14h – Leitura dirigida (ou terminar alguma tarefa da manhã, caso tenha havido algum imprevisto).

15h – Livre. Geralmente, eles pintam desenhos que imprimo, fazem actividades da sebenta que deixo disponível, montam Legos, quebra-cabeças/puzzles, correm pela casa, ao redor dela, ajudam-me nas actividades da casa.

18h – Jogos – geralmente com o pai – dominó, Monopólio, damas, cartas…

Quando não estou em casa, costumo deixar alguma actividade dirigida para a minha mãe aplicar ao Davi, como ela é muito criativa, os dias com ela são super produtivos.

Local das actividades

Tenha um ESPAÇO em casa para as actividades, estudos ou leitura dos seus filhos. De preferência a um local organizado, arejado e iluminado – na minha casa a mesa de jantar funciona bem e, ainda me dá a facilidade de poder fazer os meus afazeres domésticos de rotina enquanto instruo e vigio as suas actividades.

Matéria

Defina UMA MATÉRIA por dia. No mínimo uma, mas seja realista, não coloque metas elevadas demais. É melhor uma matéria bem feita que várias pela metade e o coração frustrado. Com o avançar dos dias poderá ajustar mudanças. Muitos sites educacionais estão oferecendo materiais gratuitos para estudo on-line nessa época. Procure!

Imprevistos

Não espere que o seu dia funcione sem imprevistos. Alguns desses imprevistos, inclusive, podem gerar um assunto muito mais importante e que trará mais conhecimento do que o planeado. Não deixe o seu cronograma tão fixo a ponto de o/a para as oportunidades.

Arrumação da casa

Não se stresse com a desarrumação da casa! Leia em voz alta, comigo: “NÃO VOU STRESSAR COM A DESARRUMAÇÃO DA CASA”. Aqui em casa, a duras penas, aprendi a não estar sempre a organizar os brinquedos – faça-o apenas no fim do dia (use o desafio da música: “desafio-nos a todos a arrumar todos os brinquedos antes da música acabar” – as crianças adoram competições!)

2. Disponibilidade

Esteja disponível se os seus filhos precisarem de ajuda, mas defina algum horário um que não possa ser interrompido, ou que elas o façam o mínimo possível. Elas têm que aprender a respeitar esse tempo. As crianças podem demorar a aprender isso, mas aprendem e passam a interromper menos vezes.

3. Tempo livre

Organize-se, mas deixe tempo livre para as crianças. Sei que para os que frequentam a escola desde muito cedo, ainda mais a tempo inteiro, pode ser difícil brincar com irmãos de idades diferentes; elas aprendem. Mais importante que o tempo de actividades programadas, deixe-as livres para escolher o que quiserem fazer; disponibilize jogos de tabuleiro/mesa, livros, materiais de pintura e de escultura, retalhos, missangas… Louça para lavar

4. Ociosidade

Os mais pequenos podem ser os que se sentem mais entediados. Não ter nada a fazer faz parte do processo! Estar ocioso é uma boa oportunidade para pensar, para ouvir (as ideias, as emoções, os desejos, as preocupações). E se a criança reclamar muito, seja compreensivo, mas não ofereça soluções. Confie! Se há uma coisa que é grande nos pequenos, é a imaginação e a criatividade. Pode eventualmente estar meio enferrujada, porque não é muitas vezes uma área activa e seriamente desenvolvida em contexto escolar, mas confie, ela só espera uma oportunidade para brilhar.

5. Oportunidades

Já falei das oportunidades, certo? Deixe-as fluir! Ofereça às crianças a oportunidade de ajudar na limpeza e na organização da casa, no almoço: elas aprenderão a valorizá-la mais assim que souberem a dificuldade dessas tarefas. De repente acontece uma aula de biologia, geografia, português, matemática sem darem conta. Isto é uma coisa que acontece muito em ED. Por exemplo: “Davi, sabia que a vovó Ana fazia muita tapioca quando eu era pequena e morava em Águas Formosas?” Onde fica Águas Formosas? Porque é que moravas lá? A quantos quilómetros daqui fica essa cidade? Quantas horas demora para chegar lá? Do que é feita a tapioca? O que mais é feito da mandioca? Tem fotos de quando tu eras pequena e moravas nessa cidade? Tens amigos de lá? Precisamos escrever cartas!

Claro que o tempo que você ficará em casa com a sua família pode não ser o suficiente para que se sinta à vontade para isso, mas esse aprendizado pode servir para a sua vida familiar, mesmo que os seus filhos estejam na escola. Claro que nem todas as pessoas fazem isto com facilidade. Seja como for, a experiência pode ser muito interessante e enriquecedora.

6. Exercícios físicos

Como devemos evitar sair para ir ao parque, pesquise na internet, Youtube. Há inúmeros vídeos de exercícios físicos que podem ser feitos em casa. Uma grande parte deles não necessita de material “profissional”. Os seus filhos vão amar fazer isso dentro de casa.

7. Escrever cartas

Ponha os pequenos a escrever cartas aos amigos! Papel e lápis! Ou computador e impressora para desenhos. Se não for possível enviar pelos correios, tire fotografia e envie!

8. Estar uns com os outros

Aproveitem para estar uns com os outros. Quem sabe esta oportunidade traga outras oportunidades. Quem sabe alguns dos que chegaram aqui por falta de opção decidam ficar mais um pouco. Outros não. Somos pela diversidade das modalidades de educação.

9. Família educadora

Aproveite para conhecer uma família educadora. Quando comecei, era totalmente perdida, mas o que achei incrível era a enorme disponibilidade de famílias (super ocupadas, inclusive) que me doaram o seu tempo precioso – a maioria delas online – para que eu usasse melhor o meu tempo e os meus recursos. A dica de ouro aqui: só não pergunte sobre “socialização”, há bastante conteúdo explicando sobre isso nas redes sociais!

Por fim, mesmo que o seu filho fique 2 meses sem as aulas, e, mesmo que ele perca o conteúdo, seja muito sincero, hoje, como adulto, você lembra-se realmente de todo conteúdo dado em 12 anos de aulas na escola? Eu não! Muito mais importante do que aprender “O QUÊ”, é que os nossos filhos APRENDAM COMO APRENDER. Investigação, curiosidade, tempo produtivo (fora das telas, por favor!), leitura, artes, ver como o mundo real funciona, aprender o motivo da suspensão das aulas, sobre as outras pandemias que ocorreram na história, sobre higiene! Tudo isso ficará marcado na memória deles e, podem ser lembranças de um tempo precioso em família. Não se preocupe com o que perderão, preocupe-se em como investir o tempo a mais que lhe foi dado com eles!

Por fim, alguns sites que pode consultar para a/o ajudar:

https://exame.abril.com.br/tecnologia/10-museus-para-visitar-online-durante-a-quarentena/

https://www.educare.pt/noticias/noticia/ver/?id=164366&utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+educare%2FIwFP+%28Not%C3%ADcias+Educa%C3%A7%C3%A3o+-+Educare.pt%29

E o blogue de uma mãe que faz ensino doméstico:

https://bemvindos.blogs.sapo.pt/

Adaptado para o português de Portugal

Fonte: https://voltemosaoevangelho.com/blog/2020/03/educacao-domiciliar-obrigatoria-pelo-coronavirus/

Deixe uma resposta